Para Refletir

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

DEFICIT DE ATENÇÃO



Contrariamente ao que a maioria dos mortais pensa, o Deficit de Atenção não diz respeito à falta de concentração por falta de empenho ou um comportamento indisciplinado resultante da educação dada pelos pais.
Se os pais de crianças sem Deficit de Atenção se empenhassem da mesma forma que os pais de crianças Hiperativas na educação dos seus filhos, todos eles seriam uns génios, super bem educados e extremamente organizados.
Educar ou viver com alguém com Deficit de Atenção é um desafio enorme e os familiares, amigos e colegas de pessoas com Deficit de Atenção deveriam de receber o devido mérito.
O Deficit de Atenção também não é uma condição psicológica relacionada com o facto de que se uma pessoa realmente quisesse era pontual e organizada ou que passa com a ajuda de um psicólogo.
Pedir a uma pessoa com Deficit de Atenção para se concentrar e organizar é a mesma coisa que pedir a uma pessoa com miopia para se esforçar mais e tentar ler sem óculos ou pedir a um coxo para correr mais depressa.
É impossível e está fora do controlo da pessoa com Deficit de Atenção.
O Deficit de Atenção é uma condição física que se caracteriza pelo subdesenvolvimento e mau funcionamento de certas partes do cérebro, nomeadamente:
  • Lobos Frontais
  • Corpo Caloso
  • Gânglios da Base ou Núcleos da Base
  • Cerebelo
  • Sistema Dopaminérgico - Falta de e/ou Recaptação Precoce da Dopamina
  • Sistema Noradrenérgico - Falta de e/ou Recaptação Precoce da Noradrenalina
Mas também pela menor e menos eficaz atividade elétrica, menor circulação sanguínea no cérebro e má gestão da glucose que é o principal combustível do cérebro.
Tudo isto leva a que haja uma má comunicação entre neurónios, má comunicação e falta de sincronização entre as várias partes do cérebro.
O Deficit de Atenção é uma condição que apresenta 3 sintomas:
  • Desatenção ou Distração
  • Deficit de Atenção
  • Impulsividade
E tem 3 subtipos:
  • Predominantemente Desatento
  • Predominantemente Hiperativo
  • Combinado Desatento + Hiperativo – O mais comum
O Deficit de Atenção é atualmente a “desordem mental” mais diagnosticada em crianças, estimando-se que 5 a 10% de todas as crianças sejam Hiperativas.
As estatísticas indicam que cerca de 40% das crianças diagnosticadas deixam de ter sintomas durante a adolescência, ou seja o cérebro, com a ajuda de fatores ambientais, “encontra o caminho” para o normal desenvolvimento. Não será só isto, atenção!
Resumindo e concluindo, o Deficit de Atenção, no jovem, exprime-se por uma tendência excessiva para a distracção. Manifesta-se, muitas vezes, de uma forma insidiosa, embaraçosa, selectiva e ocasional. Aparece mais com os constrangimentos pedagógicos e educativos à medida que a criança cresce e avança na idade.
Analisando este bloqueio emocionalmente, tenho constatado que o Deficit de Atenção é causado, em grande parte, pela ferida da rejeição. Uma criança que sofre de rejeição é levada a rejeitar tudo o que não lhe interessa e tem uma grande facilidade em fugir para o seu mundo imaginário. Conhecem a expressão “está na lua”? Pois trata-se disso mesmo! Pode fugir desta forma imensas vezes durante o dia, durante alguns segundos ou mais tempo. A criança foge porque se sente rejeitada no que é. A fuga ajuda-a a sofrer menos.
Aquela criança muito ocupada a pregar partidas e a distrair os outros desenvolve uma grande excitabilidade, que pode passar por hiperatividade. Na realidade, ela é hiperexpressiva e sofre mais de abandono do que de rejeição. Podemos reconhecer uma criança hiperexpressiva pela sua capacidade em ficar muito atenta quando uma atividade lhe interessa. O hiperativo não consegue ficar quieto, ainda que a atividade lhe interesse. Não sou apologista da medicação em ambos os casos. É possível superar estes bloqueios através da Terapia, por exemplo.
Quem sofre a dor da rejeição julga que nada vale, que é um zero à esquerda. É-lhe difícil acreditar no seu direito de existência, acreditar que é diferente. Uma criança que pensa que ninguém se preocuparia se desaparecesse de casa, da escola ou mesmo do planeta, sofre muito! Acreditem que sofre! Esse sofrimento leva-a a fugir à sua vida normal recorrendo a diversos meios.
A criança hiperactiva vive a dor da rejeição com o progenitor do mesmo sexo. Esta criança tem necessidade de reconhecer e de aceitar que esse progenitor faz tudo o que pode de acordo com aquilo que é. Viveu, em geral, o mesmo género de rejeição com o seu progenitor do mesmo sexo. É-lhe impossível dar o que não recebeu. A criança deve também reconhecer que ela própria rejeita esse progenitor. Ambos têm interesse em ter mais compaixão um pelo outro.
A criança hiperexpressiva vive a sua dor de abandono com o progenitor do sexo oposto. Julga que este último não lhe dá atenção suficiente. Só pode amar-se através da atenção que recebe. Desde que esse progenitor se ocupe mais de alguém do que dela, ou dá mais atenção a uma actividade – o seu trabalho, por exemplo – do que a ela, sente-se abandonada e julga logo que não a ama suficientemente.
A criança torna-se, assim, hiperexpressiva devido à necessidade crónica de atenção. Prefere mesmo ser repreendida, ficar doente ou até ter um acidente (o que lhe traz atenção) do que sofrer de solidão. Esta criança tem necessidade de compreender que é uma pessoa amável e amada ainda que nem sempre lhe dêem atenção. Deve igualmente reconhecer que o seu progenitor do sexo oposto faz o que pode, uma vez que viveu certamente a mesma dor de abandono com o seu progenitor do sexo oposto.
Não são situações fáceis de lidar, mas há solução, desde que a cura seja desejada! O meu trabalho enquanto Terapeuta Mutidimensional passa por harmonizar estes bloqueios de uma forma amorosa. Tudo está dentro e quando a cura é feita internamente, no coração, a paz dá-se ao seu redor!

Com amor e gratidão,
Eu Sou
Carla Tavares, Terapeuta Multidimensional

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Roo Panes - Lullaby Love

Eu sou uma eterna paixonada por palavras, música e pessoas inteiras.Gosto de beijos demorados, abraços apertados, sorrisos sinceros, palavras verdadeiras, piadas com graça, carinho... muito, um amor, uma paixão enlouquecedora, um olhar fatal, um beijo de tirar o fôlego, uma promessa cumprida, um pensamento insistente...

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Silêncio

Em silêncio...
sentindo a sua paz...
© Carla Tavares

Mulheres psicanalistas

Acho que as Mulheres acabam por se tornar boas psicanalistas com o passar dos anos. Não precisas confessar os teus pecados porque elas sempre sabem! 
Ficam lindas quando usam batom vermelho. O mesmo já não acontece com mulheres mais jovens! Ouviram, meninas? Deixem-se disso e acreditem na beleza da simplicidade e discrição!
As Mulheres mais maduras são diretas e honestas. Elas dir-te-ão, olhos nos olhos, se fores um idiota, caso estejas a comportar-te como um!
© Carla Tavares

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Apaixonei-me

Apenas escutei uma efémera carícia
e por isso me apaixonei...

© Carla Tavares

💗 Polvo de mariposas https://youtu.be/u2j6tAPfXQM?list=PLAC5058E4891401F3

Sakis foto

Sobre o amor...

O amor de um ser por outro só pode ser duas solidões que se aproximam, se reconhecem, se protegem e confortam uma à outra.

Han Suyin


#terapiamultidimensional #tarotmultidimensional #ocoracaocuraaalma
 

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

A Raposa no Xamanismo


"Irmã Raposa que a tua medicina me torne mais ágil, mais adaptável. Que eu aprenda a observar mais, ouvir mais e principalmente, ensina-me a ficar "invisível" quando for necessário. Ahow! Irmã Raposa."
Raposa Vermelha
















  

A raposa é um dos animais mais engenhosos da natureza. Sendo um animal noturno sempre lhe foram atribuídos poderes sobrenaturais. Os Cherokees, os Hopi e várias outras tribos nativo-americanas sempre acreditaram no poder de cura da raposa.
Para os Apaches foi a raposa quem entregou o elemento Fogo aos seres humanos.
Para os Celtas ela é associada à magia, um ser que vive no limiar dos mundos sendo uma mensageira do reino das fadas.
Os chineses acreditavam que as raposas podiam assumir a forma humana e para os egípcios, raposas eram portadoras das bênçãos dos Deuses.
No Japão a raposa, chamada de Kitsune, está associada à Deusa Inari, deusa da fertilidade e da agricultura.
O kitsune é um dos yokai (totens) mais presentes em todo o folclore do Leste Asiático.
Há estátuas de raposas em muitos santuários, pois ela é considerada um animal mágico no Japão, e a mitologia japonesa é cheia de contos de raposas.
Há duas raposas benevolentes e malevolentes - bons são ligados à Deusa Inari - e acredita-se que possuem tanto uma vida longa e inteligência incrível, bem como poderes mágicos.
Segundo as lendas japonesas quanto mais velha uma raposa fica, mais forte se torna a sua magia.
Diz-se que depois de chegar a 100 anos de idade, uma raposa aprende como se metamorfosear num ser humano.
As raposas são associadas a magia e astúcia.
Dentro das tradições dos nativos norte americanos existem duas leituras para a raposa.
As Tribos do Norte (forest people) vêem a raposa como um animal benigno, um animal nobre e sábio que simboliza o dom da premonição, observação e discrição.
Para os nativos americanos das Grandes Planícies ela, tal como o coiote, é um trickster (trapaceiro) que inclusive por ser traiçoeira conduziria as pessoas para a morte.
Para os ciganos a gigania-arakto (raposa) é símbolo de trapaça e desonestidade.
É altamente ofensivo para um cigano ser chamado de “raposa”.
A raposa é o Totem de vários Clãs, como o Clã Wagosh (raposa vermelha) da nação Fox e os Chippewa.
Mas a raposa tem a sua medicina e nós podemos aprender muito com ela:
A medicina da raposa envolve adaptabilidade, astúcia, observação, inteligência e rapidez nos pensamentos e ações.
A energia da raposa traz-nos o poder de decidir rapidamente e de ter o pé no chão no mundo dos vivos. A Raposa tem o dom de se camuflar em qualquer estação. Ela é um animal astuto, e os filhos deste totem recebem dela a energia que pode torná-los invisível como o vento, sendo capaz de transportar-se de um lugar para o outro em qualquer situação.
Se a raposa é o seu animal de poder, preste atenção para a forma como ela se move e siga o seu exemplo.
É um poderoso animal aliado quando se faz necessário usar as suas habilidades em benefício de todos e de si mesmo. Ela ensina-nos a mantermo-nos silenciosos e observadores, a antever situações para tomarmos decisões sábias.
A medicina da raposa também nos lembra que nem sempre ficar sob os holofotes é o caminho, melhor sermos astutos e aprender com ela a arte da camuflagem: em algumas situações é melhor ficar invisível, analisando com cautela os próximos passos.
Aprenda com a raposa a ser um estrategista.

Irene Carmo Pimenta (adaptado)